Bilac Pinto

Deputado Federal

Legislatura

2014 - 2018

Arrow
Arrow
Slider
Segunda, 05 Fevereiro 2018 21:35

Prefeituras Municipais cobram do Governo do Estado pagamentos atrasados aos municípios

Avalie este item
(0 votos)

Prezados Amigos,

Aumentar a alíquota do ICMS sobre o combustível; parcelar o salário de servidores públicos ao invés de realizar cortes e promover uma profunda restruturação do estado; deixar de repassar receitas aos municípios; e aparelhar a máquina pública beneficiando poucos e prejudicando a muitos, estas são algumas das ações promovidas pelo Governo do Estado de Minas Gerais, que ao longo dos últimos três anos seguiu rigorosamente as desastrosas orientações de um partido político que afundou o Brasil em dívidas, prejudicou nossa sociedade e comprometeu investimentos públicos que tinham por objetivo alavancar de vez nossa economia.

O preço do combustível em Minas Gerais é inaceitável, a nova política de cobrança do ICMS, que agora passa a cobrar o imposto em cima do valor praticado nas bombas, prejudicará ainda mais muitas famílias que já passam por dificuldades, tendo em vista que a logística de entrega de alimentos conta com o apoio de caminhoneiros, ou seja, o valor do frete subirá em breve, e este aumento provavelmente deverá ser repassado ao consumidor final.

Outra arrecadação que deveria ser convertida em mais Saúde, Educação, Segurança e investimentos em infraestrutura, conforme as belíssimas propagandas de televisão, é o IPVA, receita que não está chegando nos cofres das prefeituras, desfalque orçamentário que prejudica todo um planejamento realizado em prol daqueles que com muita dificuldade arcam com obrigações legais.

Preocupados com a situação orçamentária de seus municípios, mais de quinhentos prefeitos estiveram na última sexta-feira em Belo Horizonte cobrando uma posição do Governo do Estado referente aos repasses aos municípios, que já somam 3,6 bilhões de reais, sendo R$ 746 milhões referente ao pagamento do IPVA; R$ 100 milhões referentes ao transporte escolar; R$ 54 milhões para assistência social; R$ 2,5 bilhões para saúde pública e R$ 54 milhões de juros e correções referente ao atraso.

O discurso da atual administração do Governo Estado de Minas Gerais, que culpa gestões passadas pelas dificuldades por eles hoje enfrentadas, não passa de uma estratégia política praticada a anos pelo Partido dos Trabalhadores, que ao invés de assumir a autoria de um planejamento fracassado, prefere incitar o ódio, criticar a Justiça, promover discórdia e apostar o futuro de nossa nação em um pré-candidato presidencial que recentemente foi condenado a doze anos de prisão pelos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro, uma clara demonstração de incoerência por parte daqueles que se dizem ser defensores da meritocracia.

Antes de ser parlamentar, sou brasileiro, produtor rural, pai de família, advogado e defensor da Constituição, por este motivo acredito que as reformas, como a tributária por exemplo, são fundamentais para a construção de um país mais forte, pois impedirão que medidas prejudiciais ao bem-estar de toda uma população sejam efetivamente tomadas para beneficiar uma pequena minoria.

Um forte abraço a todos.

Respeitosamente,

Bilac Pinto

 

Deputado Federal

Prezados Amigos,

Aumentar a alíquota do ICMS sobre o combustível; parcelar o salário de servidores públicos ao invés de realizar cortes e promover uma profunda restruturação do estado; deixar de repassar receitas aos municípios; e aparelhar a máquina pública beneficiando poucos e prejudicando a muitos, estas são algumas das ações promovidas pelo Governo do Estado de Minas Gerais, que ao longo dos últimos três anos seguiu rigorosamente as desastrosas orientações de um partido político que afundou o Brasil em dívidas, prejudicou nossa sociedade e comprometeu investimentos públicos que tinham por objetivo alavancar de vez nossa economia.

O preço do combustível em Minas Gerais é inaceitável, a nova política de cobrança do ICMS, que agora passa a cobrar o imposto em cima do valor praticado nas bombas, prejudicará ainda mais muitas famílias que já passam por dificuldades, tendo em vista que a logística de entrega de alimentos conta com o apoio de caminhoneiros, ou seja, o valor do frete subirá em breve, e este aumento provavelmente deverá ser repassado ao consumidor final.

Outra arrecadação que deveria ser convertida em mais Saúde, Educação, Segurança e investimentos em infraestrutura, conforme as belíssimas propagandas de televisão, é o IPVA, receita que não está chegando nos cofres das prefeituras, desfalque orçamentário que prejudica todo um planejamento realizado em prol daqueles que com muita dificuldade arcam com obrigações legais.

Preocupados com a situação orçamentária de seus municípios, mais de quinhentos prefeitos estiveram na última sexta-feira em Belo Horizonte cobrando uma posição do Governo do Estado referente aos repasses aos municípios, que já somam 3,6 bilhões de reais, sendo R$ 746 milhões referente ao pagamento do IPVA; R$ 100 milhões referentes ao transporte escolar; R$ 54 milhões para assistência social; R$ 2,5 bilhões para saúde pública e R$ 54 milhões de juros e correções referente ao atraso.

O discurso da atual administração do Governo Estado de Minas Gerais, que culpa gestões passadas pelas dificuldades por eles hoje enfrentadas, não passa de uma estratégia política praticada a anos pelo Partido dos Trabalhadores, que ao invés de assumir a autoria de um planejamento fracassado, prefere incitar o ódio, criticar a Justiça, promover discórdia e apostar o futuro de nossa nação em um pré-candidato presidencial que recentemente foi condenado a doze anos de prisão pelos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro, uma clara demonstração de incoerência por parte daqueles que se dizem ser defensores da meritocracia.

Antes de ser parlamentar, sou brasileiro, produtor rural, pai de família, advogado e defensor da Constituição, por este motivo acredito que as reformas, como a tributária por exemplo, são fundamentais para a construção de um país mais forte, pois impedirão que medidas prejudiciais ao bem-estar de toda uma população sejam efetivamente tomadas para beneficiar uma pequena minoria.

Um forte abraço a todos.

Respeitosamente,

Bilac Pinto

Deputado Federal

Lido 1012 vezes Última modificação em Terça, 20 Fevereiro 2018 16:49

Links Úteis