Bilac Pinto

Deputado Federal

Legislatura

2014 - 2018

Arrow
Arrow
Slider
Segunda, 11 Setembro 2017 17:28

Joesley Batista se entrega à Polícia Federal

Avalie este item
(0 votos)

Queridos Amigos,

Por inúmeras vezes me questionei quanto a capacidade do ser humano de conspirar contra o que consideramos legal em nosso país, de manipular o sistema de tal forma que uma convicção legal não passa de uma mera hipótese em um mar de impunidade e incertezas jurídicas.

O encontro repentino e de caráter duvidoso entre o Procurador Geral da República Rodrigo Janot e o advogado de defesa dos donos da gigante JBS, Pierpaolo Bottini,  realizado na calada da madrugada em um bar do Distrito Federal, deixou em evidência os interesses que motivaram o “perdão legal” em troca de informações que incriminassem políticos e autoridades, relação que ultrapassou todos os limites,  gerando ainda mais desconfiança e descrédito para um órgão público de tamanha importância como a Procuradoria Geral da República.

 Ciente de que o pedido de sua prisão já tinha sido emitido pelo STF, o empresário Joesley Batista, um dos donos da gigante JBS, e seu braço direito Ricardo Saud, decidiram misteriosamente se entregar a Polícia Federal na tarde de ontem, evitando assim um maior constrangimento entre amigos e familiares.

 Uma das grandes polêmicas envolvendo o pedido de prisão dos executivos da JBS gira em torno do pedido de busca em apreensão executado na manhã desta segunda-feira feira, já que o mesmo deveria ter sido realizado no momento da prisão dos criminosos confessos, sem suas ciências, e não após suas prisões.

 Vale ressaltar que o fato de estarem cientes de todo processo judicial contra eles, antes mesmo da Polícia Federal, Joesley Batista e Ricardo Saud podem ter tido tempo de descartar toda e quaisquer provas que os incriminassem ainda mais no processo que investiga o esquema criminoso de pagamento de propinas.

 A delação premiada dos executivos do Grupo JBS foi, desde o início, alvo de críticas e desconfiança por parte de diversos juristas e magistrados compromissados com o cumprimento de nossas Leis e o exercício do Direito, pois perdoar um criminoso confesso em troca de mais detalhes referentes aos crimes cometidos além de ser imoral é uma decisão de certa forma considerada desleal com nossa sociedade que clama pelo fim da impunidade.

 Agora presos temporariamente a pedido do Ministro do Supremo Tibunal Federal Luiz Edson Fachin, Joesley Batista e Ricardo Saud terão que explicar à Justiça uma certa conversa por eles classificada como conversa de bêbado, onde detalharam com muita precisão todo passo a passo elaborado para alcançar a liberdade, plano que contava com a participação do Ex-Procurador da República Marcelo Miller, e do Procurador Geral da República Rodrigo Janot.

 Espero que a justiça seja feita e que estes criminosos confessos sejam condenados pelos crimes cometidos, para que possamos virar a página e continuar trabalhando em direção das reformas que tirarão o Brasil da crise.

Um forte abraço.

Respeitosamente,

Bilac Pinto

Deputado Federal

(PR/MG)

Lido 72 vezes Última modificação em Sexta, 22 Setembro 2017 14:20